Consumidores de Gravatá reclamam de abuso em cobrança de energia

Consumidores que pagavam entre, R$75,00 a R$100,00 reais ao mês, pagam hoje, entre R$150,00 há R$300,00 reais, algo sem explicação para os consumidores.

Curtir
Curtir Amei Haha Wow Triste Raivoso

Após alterações nas contas de energia, com a implantação das bandeiras que indicam se houve o excesso do uso da eletricidade ou não, consumidores de Gravatá reclamam de abuso na cobrança de energia na cidade.

Consumidores que pagavam entre, R$75,00 a R$100,00 reais ao mês, pagam hoje, entre R$150,00 há R$300,00 reais, algo sem explicação para os consumidores.

Gravatá, uma cidade com aproximadamente 81.893 habitantes, segundo o IBGE, tem uma taxa de contribuição com iluminação publica de R$12,09 reais ao mês. Se calcularmos esse valor ao ano, chegamos a R$145, 08 reais, para cada contribuinte.

Sabemos que o numero de habitantes na cidade não é o mesmo de contribuinte, mais digamos que em cada residência resida sete pessoas, o numero de residência chega a ser de 11.699.

Agora imagine 11.699 residências, pagando R$145,08 ao ano, cada, só de taxa de iluminação publica. O valor arrecadado ao ano pela CELPE em Gravatá, ultrapassa R$ 1.697.290.92 centavos, (Um Milhão, Seiscentos e Noventa e Sete Mil, Duzentos e Noventa Reais, e Noventa e Dois Centavos), um valor extremamente alto por um serviço que é mal prestado.

Tem ruas e bairros da cidade sem iluminação ou estão com as lampadas queimadas, mais mesmo assim, a contribuição que vem na conta de luz, é paga normalmente pelos moradores que reclamam deste serviço que não é prestado.

A redação do DE OLHO EM GRAVATÁ entrou em contato com a assessoria de comunicação da CELPE, onde todas as denúncias foram repassadas, e aguarda uma resposta que será publicada posteriormente em nosso portal.

Curtir
Curtir Amei Haha Wow Triste Raivoso

Deixe Sua Opinião

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.